A busca do equilíbrio pessoal e profissional

A busca do equilíbrio pessoal e profissional

Você sempre buscou esta harmonia? No dia 12 de Outubro, realizamos o I Workshop Instituto Renovatta, no qual contamos com um painel interativo sobre o tema, que foi debatido pelo Dr. David Salomé, médico do esporte, e pelo Euclides Germiniani, consultor de marketing.

Para você que não pôde estar presente, preparamos este artigo com um pouco do que rolou no evento, que se iniciou com a seguinte questão levantada pelo Consultor Euclides:

O Brasil está doente?

Você sabia que o Brasil é o país mais deprimido e ansioso da América Latina (OMS)? Até 2020, a depressão será a principal causa de afastamentos do trabalho (OMS). 30% dos profissionais brasileiros sofrem com a Síndrome de Burnout (ou síndrome do esgotamento profissional), segundo dados da Stress Management Association (ISMA).

O autoconhecimento leva à satisfação no trabalho.

A reportagem sobre autoconhecimento da Revista Você S/A, edição de agosto/2019, traz a pesquisa da psicóloga organizacional Tasha Eurich, que ouviu cerca de 5.000 pessoas e descobriu que apenas cerca de 15% acreditam se conhecer bem.
O resultado é preocupante, uma vez que o autoconhecimento está associado a índices mais elevados de satisfação no trabalho, nos relacionamentos, na produtividade, na autoconfiança e na felicidade, além de menos estresse, ansiedade e depressão.
As transformações pelas quais o mundo do trabalho vem passando e as demandas das novas gerações de profissionais vão exigir cada vez mais uma boa capacidade de gestão de si próprio! O autoconhecimento é o ponto de partida para o desenvolvimento de habilidades comportamentais

Valores: entender que há condições inegociáveis, e esforços que você não está disposto a fazer quando o assunto é trabalho, é um bom ponto de partida para tomar decisões com menos desgaste mental e emocional.

Competências: manter o olhar atento e generoso para suas habilidades é uma forma de ampliar a visão que tem de si mesmo e seguir sempre estimulado.

Produtividade: conhecer sua personalidade e seus interesses é chave para desenhar uma rotina de trabalho fluida e eficiente.

Relações: quem enxerga bem a si mesmo, aceitando e acolhendo as próprias falhas, dúvidas e inseguranças, sem cair no excesso de autocrítica, tende a ser mais tolerante com os erros e as inseguranças dos outros.

Saúde: conhecer (e respeitar) os próprios limites, saber dizer não, ajustar expectativas em relação a si mesmo e aos outros.

Essas e tantas outras questões são obstáculos que todos precisamos enfrentar para alcançar os nossos sonhos.

Mas, então, o que diferencia as pessoas mais equilibradas das demais?

IE – Inteligência Emocional

Pessoas mais equilibradas tendem a serem mais bem-sucedidas, pois são capazes de usar a Inteligência Emocional para equilibrar sua performance nas 8 áreas da vida e ter sucesso em seus objetivos.

O conceito foi desenvolvido por Daniel Goleman, autor bestseller internacional, ex-professor de Harvard e Yale e especialista em aprendizado emocional. Ele define características como:

  • Capacidade de controlar impulsos
  • Canalizar emoções para situações adequadas
  • Praticar a gratidão
  • Motivar as pessoas ao seu redor

Além disso, para poder elevar seus padrões de qualidade de vida, o Dr. David complementou a palestra, levantando o tema sobre como esta sintonia, alinhado com o auto-cuidado e o banimento do sedentarismo, pode desenvolver melhor sua qualidade de vida, unificando corpo e mente.

Sendo assim, alguns conceitos são importantes a definirmos, como:

  • Envelhecimento: é o conjunto de manifestações que acontecem no organismo como consequência do tempo vivido e principalmente, do modo como foi vivido. É um processo maleável, que pode ser melhorado através de intervenções de estilo de vida, medicamentosas e ambientais.
  • Sedentarismo:
    • O indivíduo precisa fazer atividades moderadas, pelo menos 5 vezes por semana durante 30 minutos, ou atividades físicas intensas pelo menos 3 vezes por semana, durante aproximadamente 20 minutos;
    • O Brasil está entre os mais sedentários do mundo, à frente inclusive dos Estados Unidos (com 40% de índice de obesidade);
    • Apenas entre 28 a 30% dos idosos fazem atividade física.

A melhor forma de melhorar e manter a qualidade de vida é cuidar do corpo. Atividades físicas com um ciclo adequado para cada caso, sendo em torno de duas a três vezes na semana, segundo a OMS. Lembre-se sempre de prezar pela segurança ao praticar qualquer atividade física, tanto voltada para o ambiente ao seu redor, como para si mesmo (controlando o excesso de esforço, postura e repetições, por exemplo). Um programa ideal de exercícios deve levar em conta alguns objetivos como o ganho de força (musculação), aumento da flexibilidade, alongamento, coordenação e equilíbrio. Em alguns casos, pilates e exercícios aeróbicos são mais indicados, e claro, nunca deixar de “malhar” o cérebro. Uma boa dica para começar é correr, onde você pode ditar seu ritmo gradativamente em busca de um estilo de vida menos sedentário.

Envelhecer é inevitável, ficar velho é uma opção!

Encare sempre os problemas na vida pessoal e no trabalho de uma forma alegre. Não que você precise sorrir para tudo, mas vale a pena buscar saídas e soluções para os problemas de forma positiva, pois isso ajuda a encarar a vida com mais leveza. É saudável equilibrar a vida profissional e pessoal, e também essencial para uma vida plena, mas também é um desafio para o cidadão de hoje.

Gostou? Então aproveite e compartilhe este artigo com alguém que também esteja buscando o equilíbrio na vida pessoal e profissional!
E isso tudo é apenas um resumo de tudo que rolou no nosso primeiro workshop! Mas fique de olho! Em breve traremos várias novidades e divulgaremos as datas dos nossos próximo eventos! Esperamos você lá! Enquanto isso aproveite para seguir nossas redes sociais clicando aqui!

 

Confira abaixo algumas fotos da cobertura do evento realizada pela Revista Expressão.

Compartilhe esse post

WhatsApp chat